Melindres

Controle seus melindres, de modo que se não instalem na casa sinistra do ódio.

Um tênue fio separa o melindre do rancor. Sabeis bem disso, pois muito já experimentastes.

Acreditai, porém, no que viemos hoje vos alertar. É perfeitamente possível romper com a rede viciosa que, há tempos, vem propagando esses maus sentimentos entre os homens, obrigando-os a voltar à carne, muitas vezes, sem conseguirem se livrar dos maus hábitos.
Arraigados nas profundezas da mente, criaturas microscópicas, formadas pelos obsessivos pensamentos de vingança, sobrevivem, causando danos ao físico e ao espírito. Entretanto, vós estais num estágio de consciência em que estas figuras não são mais aceitas, porque se fizeram desnecessárias.

A faxina mental, a que tantas vezes nos referimos e vos aconselhamos fazer, na verdade, não se limita à mente mas abarca a intenção e os sentimentos, vinculados a cada pensamento.

Hoje, essas presenças são tão materializadas que torna-se mais fácil eliminá-las. Porém, para tal, há que haver muita vontade.

O indivíduo, no corpo de carne, sofre toda sorte de tentações, mas, pode efetivamente libertar-se dos vícios, de modo definitivo.
Quebrai a corrente do mau hábito, apenas com vossa vontade. Lembrai que a força divina é somente bondade a amainar vossos ímpetos e instalar em vossos corações o amor mais verdadeiro.

Basta, como em tudo, que queiras.

 

Instituição Beneficente “A Luz Divina”

Grupo de Psicografia “Paulo de Tarso” – Pasta 60

Comentar

Print your seu lugar